post

Buenos Aires com olhos de mãe

WP_20160428_015

Deu a louca na família e decidimos, dois dias antes de pegar o avião, passar os meus últimos dias de férias em Buenos Aires. Corremos daqui, corremos dali, conseguimos passagens a um preço bem razoável a serem pagas em suaves prestações mensais e um hotel bem localizado com cozinha no quarto (item essencial para quem quer ir viajar com um bebê a tiracolo). E lá fomos nós para uma semana de aventuras.

Foi a terceira vez que visitamos a capital argentina, mas a primeira com o Huguinho. Embora tenha sido uma viagem maravilhosa, foi super diferente das outras duas que já havíamos feito há alguns anos. O ritmo foi outro, as prioridades foram outras e a minha visão de Buenos Aires então… essa realmente mudou!

Eu e o Hugo adoramos Buenos Aires. Ao contrário de muitos brasileiros, nós gostamos muito dos argentinos (risos!). Sempre fomos super bem recebidos por lá. E desta vez não foi diferente. A diferença foi que nós levamos conosco um menininho super ativo e cheio de energia para gastar — e haja energia!

Foi também a primeira vez que o Huguinho viajou de avião. Embora ele tenha ficado um pouco agitado, não chorou nem uma única vez, e passou metade do tempo do curto trajeto (cerca de 3 horas) mexendo em tudo o que via pela frente e a outra metade dormindo.

Assim que pisamos em solo argentino ele parecia que queria gritar: “chegueiiiii e vou me acabar”. “Dito” e feito! O primeiro dia foi de loucura total. O Huguinho parecia que tinha sido carregado na tomada 220 v. Não queria comer, não queria parar, não queria ficar no colo, só queria correr e correr e correr… Confesso que ficamos um pouco apavorados, mas preferimos acreditar que aquilo era uma agitação por conta de tantas novidades e por ter acordado as 3h da manhã para ir para o aeroporto.

WP_20160426_132No dia seguinte ele já estava um pouco mais calmo, tomou café e começou a dar sinais de que queria apenas se divertir — e como se divertiu. Fomos naquele mesmo dia em um museu sensacional para quem tem crianças pequenas. Chama-se Museo de Los Niños. Só é permitido entrar com crianças. Adultos pagam 40 pesos e crianças de até dois anos não pagam. Lá é tudo em miniatura, e as crianças ficam absolutamente encantadas. A felicidade do Huguinho era tamanha que contagiava. O difícil foi distrai-lo para irmos embora. Uma dica é chegar assim que o museu abre, às 13h, porque mais para o meio da tarde começam a ir grupos escolares, e fica muito cheio.

Todas as nossas atividades nós fizemos pensando no Huguinho, respeitando o limite dele. Para falar a verdade, acho que respeitando o nosso, porque se dependesse dele nós poderíamos sair do hotel de manhã cedo e só voltar à noite. O danadinho não dormiu nem um único dia à tarde.

Mas quando disse que passei a ver Buenos Aires com outros olhos, estava me referindo principalmente às atividades e à acessibilidade. O metrô, por exemplo, não é nada acessível para quem está andando com um carrinho de bebê. É preciso carregar o carrinho e o bebê escada acima e escada abaixo. E não espere ajuda! Poucas estações dispõem de escada rolante. Como turistas ok, mas fiquei pensando nos moradores… E já no terceiro dia achamos melhor deixar o carrinho no hotel e carregar o Huguinho no colo.

Viajar com criança é muito bom, mas é preciso relaxar um pouco, principalmente quando se trata de outro país. Nós fizemos o possível para ele não estranhar muito a comida. Fizemos compras logo no primeiro dia e tentamos fazer pratos o mais parecidos que desse com os que ele come por aqui. Além de os sabores serem um pouco diferentes, adicione uma boa dose de agitação por conta de tanta novidade… É um prato cheio para o seu bebê simplesmente não querer comer. Foi assim nos dois primeiros dias. O Huguinho praticamente só aceitava frutas. Mas no terceiro dia ele já começou a aceitar também comidinhas salgadas que cozinhamos no hotel. É claro que ele não se alimentou como costuma fazer aqui em casa, mas até que foi de uma forma razoável e aceitável.

Além das questões de acessibilidade e alimentação, o clima também nos deixou alertas. Se antes isso era algo que procurávamos saber apenas para saber que tipo de roupa levar, desta vez foi um bocado preocupante. Estava bem frio por lá. Durante os primeiros dias chegou a fazer 3 graus na parte da manhã, e o vento estava absolutamente gelado. O jeito foi abusar dos agasalhos e evitar, na medida do possível, ficar muito tempo ao ar livre. Mas deu tudo certo!

Já os bares, pubs e passeios noturnos ficaram para uma próxima vez! Quem sabe quando o Huguinho estiver um pouquinho mais velho? Não dá para querer fazer tudo o que se fazia antes de termos um bebê. É sim preciso respeitar alguns limites.

Buenos Aires para mim continua encantadora, mas com ressalvas que antes não fazia. É sim uma cidade cheia de atrações para crianças, principalmente as praças e os parques públicos, mas é também uma cidade que poderia oferecer mais agrados para as famílias, principalmente em termos de acessibilidade. Agora, perguntem para o Huguinho se ele gostou… Hasta luego, Buenos Aires!

3 thoughts on “Buenos Aires com olhos de mãe

  1. Adorei o blog, muito interessante sua matéria Priscila… Continuarei a ler suas postagens! Suas experiêcias serão de grande ajuda para todos! Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *