post

O quê que tem na sopa do neném?

Em nosso ponto de vista, decidir o que os filhos vão comer quando pequenos é uma das primeiras colaborações para o futuro deles. Pensando nisso, tentamos ter muito cuidado com a alimentação do Tom. Queremos que o Tom esteja exposto a todos os tipos de sabores e desde que começou a gritar desesperado por comida na hora do papá, temos oferecido a ele: cevadinha, lentilha, cuscuz, pesto, quinoa, muito azeite, brócolis, couve, espinafre, diferentes tipos de batata etc. Além das outras refeições do dia quando é exposto a: figo, tâmara, kiwi, nozes, castanha do para, castanha de caju, semente de abóbora, semente de girassol, damasco, passas e por aí continua.
 O que mais nos impressionou na Noruega foi como a cultura da alimentação é pobre em um lugar tão desenvolvido, esperávamos que fosse o país do orgânico, mas o que encontramos foi a tradicional pizza de muita massa com uma pitada de queijo (também conhecida come pizza de papel), patê de fígado de porco no café da manhã e pão branco com uma salsicha de qualidade pra lá de duvidosa. Infelizmente as crianças se esbanjam disso e a maioria dos adultos não vê isso como problema.
Já na Inglaterra, uma realidade bem comum: redes de fast food lotadas de crianças, adultos se esbaldando de batatas chips/fritas e refrigerantes, muita maionese etc.
Como todas as dificuldades e demandas da criação dos filhos, preparar a comida requer muito tempo e dedicação. Estamos felizes em ter a disponibilidade e se empenhar a cada dia em oferecer mais sabores para que o Tom possa experimentar. Eu particularmente não acho que os extremos sejam exemplos a serem seguidos, seja o modelo que elimina tudo que seja industrializado ou modelo que não reflete sobre o que come.
tom

Obviamente nem sempre dá para fazer o que queremos e ele também come o que não consideramos saudável, mas enquanto pudermos vamos fazer o possível para que ele se afaste dos excessos de coisas não saudáveis e explore o máximo de sabores existentes. Essa experiência é um dos maiores presentes que podemos oferecer para o nosso filho.

4 thoughts on “O quê que tem na sopa do neném?

  1. Realmente a alimentação dos nossos bebês nos pega de jeito. E também faz com que melhoremos nossos hábitos. Mas preciso fazer algumas ressalvas quanto a cultura alimentar norueguesa.

    Sua experiência não deve ser generalizada. infelizmente a Noruega não é o país dos orgânicos, como a Dinamarca, por exemplo. Mas está caminhando pela pressão dos consumidores. Sorrio todas as vezes que entro no mercado e encontro mais um item orgânico disponível. Hoje já é possível fazer todo um jantar somente com ingredientes orgânicos sem precisar ir muito longe.

    O exemplo da Grandiosa – a pizza congelada sofrível mais vendida por aqui – é verdadeiro entre as pessoas de poder aquisitivo mais baixo. Diferente de muitos de nós brasileiros, os noruegueses vêem a pizza como uma refeição. E de modo geral, pizza e cachorro quente – muitas vezes servidos em pão integral – são servidos em ocasiões especiais como aniversários e comemorações. Não fazem parte do dia-a-dia. A pizza servida em casa é, geralmente, toda feita em casa. Balas de goma são, normalmente, servidas aos sábados. Por aqui, as pessoas que se alimentam no McDonalds têm poder aquisitivo mais baixo e menor nível educacional.

    Há também que se considerar que comida na Noruega é o item com que mais se gasta, e o custo é alto. Os noruegueses não costumam servir jantares, ou banquetes, para muitos convidados. No Brasil fazemos churrasco todo fim de semana e sempre tem comida suficiente para mais um. Aqui, comida é contada. Em festas servem-se cachorro quente, batata como a Ruffles e bolos – que geralmente são trazidos pelos próprios convidados.

    Eu tenho um monte de reservas quanto ao que se oferece às crianças por aqui, mas no dia-a-dia, de modo geral, come-se direito. Os noruegueses ainda usam tempo na cozinha fazendo as próprias refeições. Eles têm apenas uma refeição aquecida e procuram fazer direito. Vide o crescente número de pacotes de jantares vendidos. Um carro entrega na sua porta receitas e caixas com todos os ingredientes frescos para 3 ou 5 jantares toda semana.

    Hoje há um enorme interesse em pequenas fazendas e fazendas com cultura de mutirão. As pessoas “compram” parte da produção das fazendas e elas mesmas, junto com os filhos, plantam e colhem seus legumes, frutas e verduras. Assim a produção orgânica tem aumentado bastante ultimamente. Hoje já se compra quinoa orgânica norueguesa, por exemplo.

    Para além disso, a Noruega é rígida quanto aos alimentos vendidos sob o rótulo de “alimento infantil”. Esses alimentos não contém aditivos e são, em sua maioria, orgânicos. Vide as marcas mais vendidas entre elas a Ella’s. Mesmo a Nestlé, na Noruega, produz alimentos infantis orgânicos, sem aditivos e com baixíssimas quantidades de açúcar e nenhum sal. Essa mesma rigidez vale para os demais alimentos. A batata que se compra nos mercados ou já vêm com brotos, ou brotam dentro de poucos dias na sua dispensa. O uso de pesticidas é extremamente controlado e produtos modificados geneticamente têm sido proibidos sistematicamente. Ainda assim, há muito que se melhorar já que os governos tem mostrado uma inclinação a permitir produtos que a UE permite sem melhores pesquisas. Mas os movimentos organizados da sociedade têm conseguido barrar essas permissões.

    Enfim, escrevi um novo post só sobre a Noruega. Desculpe, mas acho que uma outra perspectiva também merece seu lugar.

    Hoje eu sirvo arroz e feijão orgânicos à minha família. E eles adoram!

    Um abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *