Fim de férias: de volta ao frio

Acabamos de voltar de longas férias no Brasil, foram mais de 40 dias aproveitando aquele calor gostoso do Rio de Janeiro. Foi bom demais apresentar nosso pequeno para família e amigos e curtir um aconchego familiar. Depois de tanto tempo sozinha com Gael aqui em Oslo, precisava muito socializar e receber carinho de quem estava longe quando ele nasceu.

Pena que o tempo passou tão rápido e já estamos aqui de volta a Oslo. Ainda bem que o frio mais intenso já passou (talvez ele ainda volte, nunca se sabe) e voltamos com uma temperatura razoável, depois de tanto rodar pelo Rio de Janeiro eu e Gael iríamos ficar entediados trancados em casa.

Agora quem disse que passear por aqui com bebê pequeno é fácil? Sem bebê eu simplesmente tinha que pegar meu casaco, bolsa, calçar bota e sair. Agora eu tenho que vestir Gael com algumas camadas, colocar gorro, luvas, meias e finalizar com um macacão grosso, colocar o bebê dentro do saco do carrinho (tipo um saco de dormir bem grossinho para proteger do frio), fechar cinto de segurança e aí sim colocar minha bota e casaco e sair. Já parecia muita coisa? Agora adicione aí um bebê que não quer vestir nada disso, que está irritadíssimo porque dentro de casa está quente e ele está com mil camadas, não quer sentar no carrinho, se mexe e chora sem parar. Um bebê que até anteontem ficava de fraldinha em casa e colocava no máximo um body.

Ser mãe no inverno é uma aventura. Tenho que deixar tudo já meio que pronto para encurtar ao máximo esse momento colocar no carrinho e sair. E mesmo assim, distrair, cantar musiquinhas e ainda sair de casa com casaco meio vestido e bota para abotoar, porque quanto mais rápido sair, mais rápido ele para de chorar. Hoje saí tão desesperada que esqueci gorro e luva. E isso não é legal quando está 3 graus do lado de fora.

Tudo com que tínhamos nos acostumado já era, vamos começar de novo porque a rotina foi pra cucuia. Não estou reclamando, imagina, foi bom demais no Rio, mas vida de quem mora fora do Brasil é assim mesmo, todo ano viagem para visitar a família, muitos paparicos, é difícil voltar.

Se depois de uma viagem já voltamos diferente, imagina um bebê de cinco meses? 40 dias pra ele é tempo à beça. A impressão que tenho é que fui com um bebê e voltei com outro. O bebê de antes tomava banho na banheira quietinho, o de agora acha que dar tapa na água é o máximo e fica agitadíssimo. O banho agora é de chuveiro. O bebê de antes estava ensaiando rolar, o de agora já domina a técnica e usa isso para locomoção. Quando ele identifica um alvo ninguém segura. Aliás, ele está começando a se arrastar para frente e estou ficando assustada com isso. Acho ótimo que ele está se desenvolvendo super bem, mas precisava ser tão rápido? Não posso mais tirar o olho dele. O bebê de quarenta dias atrás brincava tranquilo com seu móbile do berço e eu adorava observar isso da babá eletrônica, agora ele tenta arrancar fortemente os coelhinhos para botar na boca, pobres bichinhos.

Gael antes do Brasil estava numa fase de não querer ficar no colo de estranhos, logo fazia beicinho. Agora foi tanto colo que ele se joga no colo de qualquer um, gostaria que ele fosse mais seletivo. Sua diversão favorita no Brasil era procurar pessoas na rua e encarar até a pessoa brincar com ele, para ele então soltar um sorrisão e depois procurar outro alvo. No seu primeiro dia de volta a Oslo ele até deu sorte porque tivemos consulta no posto de saúde e encontramos conhecidos, lá ele pôde distribuir e receber sorrisos. Mas em breve ele vai ter trabalho por aqui para ter atenção na rua.

É muito ruim estar longe da família, mas o que me motiva a continuar na Noruega é o tempo que tenho disponível para meu filho. No Brasil, ele já estaria quase indo para a creche e por aqui ainda desfruto de alguns meses de licença maternidade. É muito clichê dizer que o tempo voa, mas com bebê pequeno isso é muito visível, você pisca o olho e ele cresceu.

Aos poucos a vida vai voltando ao normal e vamos nos acostumando com a tranquilidade daqui.

3 thoughts on “Fim de férias: de volta ao frio

  1. Oi Carol, ótimo relato. não se sintam sozinhos, estamos no mesmo barco. Sempre que precisarem, estaremos aqui. também sou Mãe de primeira viagem, então, vamos trocando experiências e todo dia aprendendo mais um pouco. Um grande beijo.
    Venham passar um dia conosco.

  2. Pingback: Curiosidades da maternidade no frio |

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *